[Algoritmos & Robôs: Os novos públicos-alvo das marcas] Da qualidade para a quantidade: os millennials e a morte de Tolstoi

Traçando um raciocínio lógico e simples: apenas um gênio consegue escrever algo tão profundo quanto Guerra e Paz – mas qualquer um consegue escrever um tweet.

Não que conteúdo sofisticado precise, necessariamente, de centenas de páginas para ser exposto: qualidade não é dependente de quantidade.

O ponto é outro.

Na sociedade atual, há tanto volume de conteúdo disponível em tantos formatos – destacando, obviamente, as redes sociais – que a predisposição em se aprofundar em um único e determinado tema pode ser considerada quase como uma anomalia.

Mas em que momento da humanidade isso aconteceu? Em que ponto exato a abundância de informação fez com que as pessoas optassem por “menos de mais” ao invés de “mais de menos”?

É difícil (ou impossível) apontar um momento no tempo em que as pessoas subitamente mudaram suas opiniões em relação à maneira com que consumiam conteúdo. Como toda mudança, esta foi fruto de um processo longo, resultado de pequenas revoluções de pensamento se acumulando desde que Gutenberg criou a prensa móvel. Mas há, claro, uma forma prática de se dividir os modelos mentais humanos para melhor entendê-los: observando os cortes de gerações que se criaram sob a influência de um determinado contexto sócio-político-cultural.

A geração nascida entre as décadas de 25 e 46, por exemplo, recebeu a alcunha de “geração silenciosa”, definida principalmente por rígidos padrões morais e por um estado de sofrimento constante devido às duas grandes guerras; os nascidos entre 46 e 64 foram chamados de “baby-boomers”, principalmente por conta da volta dos veteranos americanos da segunda guerra e do momento de prosperidade social (e gestacional) resultante; a geração X foi a próxima, nascida entre 65 e 79 e caracterizada pelo apreço ao trabalho duro e hierarquizado que garantia o crescimento profissional; e assim por diante.

Como todos esses termos foram cunhados com base na sociedade americana, é mais do que óbvio que muitas das suas características não se encaixassem perfeitamente na realidade brasileira (ou estrangeira de maneira geral) dos mesmos períodos.

Ainda assim, essas nomenclaturas se padronizaram como maneiras de interpretar comportamentos comuns. Além disso, o nível de globalização atual é tamanho que, ao menos para as novas gerações, a identificação cultural é muito maior do que qualquer diferença meramente geográfica.

Isso nos leva à geração mais estudada em todo o mundo – e que mais está protagonizando as mudanças dos nossos tempos: os millennials (nascidos entre 1980 e 1999).

Antes de prosseguir, portanto, é imperativo entender algumas de suas características mais marcantes[1]:

Pseudo-multitarefa

Até pouco tempo, acreditava-se que os millennials pensavam e agiam de maneira multitarefa. Esse mito caiu por terra com novos estudos que apontaram que, em realidade, eles tem uma capacidade tão forte de mudar subitamente a tarefa foco que há a “impressão de simultaneidade”. Ainda assim, trata-se de uma característica importantíssima: hoje, dedica-se menos tempo na execução de um maior número de tarefas.

Egocentrismo

O culto ao próprio ego é fator determinante no comportamento de millennials. Também até pouco tempo, as novas gerações eram tidas como mais altruístas e preocupadas com as grandes questões da humanidade. A preocupação em si até pode existir – mas não por puro altruísmo. O culto ao próprio ego é um fator determinante na personalidade dos millennials: 75% tem perfis ativos em redes sociais, 20% postam vídeos deles próprios constantemente, 38% tem de uma a seis tatuagens e 23% tem algum piercing em algum lugar diferente da orelha. O que isso diz? Que chamar a atenção do mundo para si é importante.

Informação instantânea

65% dos millennials se informam pela TV e 59% pela Internet. Isso até pode parecer um choque – mas há que se reinterpretar a divisão de meios.

Para esse público, a TV é algo ainda aquém de meia dúzia de canais abertos: ela é tão somente um hardware grande e cômodo por onde se pode escolher o conteúdo a ser consumido. A fonte do conteúdo? Para um número cada vez maior de pessoas, a própria Internet, via aplicativos como Netflix ou Youtube.

Hoje, a TV é a Internet.

Educação

Dentre todas as gerações passadas, os millennials serão certamente a mais “formalmente” educada. Nos EUA, o índice de formação escolar de segundo grau (high school) está em 72% – o patamar mais alto em duas décadas. Destes, 68% se matricularam em faculdades – outro número recorde.

Estudar é uma constante para este público principalmente por conta das possibilidades abertas na Era da Informação. Entra em cena o conceito de multitarefa novamente: 31% dos estudantes americanos do ensino superior estão fazendo outros cursos online em paralelo.

Empreendedorismo

Um público com grande acesso a educação e autoestima tão elevada dificilmente encontra satisfação como funcionário, seja no setor privado ou público. Ao contrário: pensa-se sempre que se sabe mais que os demais e que qualquer tomada de decisão própria será sempre mais acertada do que uma decisão de terceiros (quem quer que sejam).

O resultado: nunca se viu tantas novas empresas sendo abertas no mundo. Pesquisas, aliás, apontam que algo entre metade a dois terços dos millennials se dizem interessados em montar os seus próprios negócios.

E as próximas gerações?

A Geração Z – nascida depois do ano 2000 – tende a seguir as mesmas tendências dos millennials na medida em que a informação e a educação vão sendo mais e mais abundantes. Ou seja: deve-se esperar mais egocentrismo, mais empreendedorismo e mais pensamentos orientados à multitarefa.

O que isso tudo significa?

Entender millennials e a Geração Z vai além de estudar um perfil demográfico: significa entender os rumos da humanidade como um todo.

Acompanhe o seguinte raciocínio:

  • Com o passar do tempo, mais e mais conteúdos vão sendo disponibilizados pelos mais diversos meios, de livros tradicionais à já onipresente Internet.
  • Com tanto conteúdo disponível em tantos locais, as pessoas acabam elegendo o ambiente mais “cômodo” como fonte primária. E o ambiente mais cômodo, claro, é o que permitirá que elas se informem e propaguem a informação de maneira mais prática, ágil. Hoje, inclusive, 88% dos millennials dizem se informar sobre o mundo no Facebook[2].
  • No afã de buscar a atenção dos seus pares e de serem reconhecidos como formadores de opinião, os mesmos millennials que se informaram pelas redes sociais correm para propagar uma determinada notícia, deixando a checagem sobre a sua veracidade em um distante segundo plano. É mais importante ser o primeiro a falar do que falar algo que não seja necessariamente a verdade.

Esse raciocínio é fundamental por apontar para uma mudança no próprio modelo de formação de opinião: hoje, quantidade é mais importante do que qualidade.

Voltando ao começo deste capítulo: a era em que obras densas e extensas como Guerra e Paz, de Tolstoi, foram a base para toda uma mudança social, já se foi.

Tolstoi leva tempo demais para ser lido e, consequentemente, propagado.

Tolstoi saiu de moda.

Seu lugar foi ocupado por toda uma série de personalidades que, por meio de seus perfis sociais ou canais no Youtube, usam uma espécie de extremismo ideológico comprimido em pequenas pílulas de conteúdo – fáceis de engolir e mais fáceis ainda de compartilhar – para alcançar um público maior do que o escritor russo jamais sonhou que poderia existir.

Os segredos dessas personalidades?

  • Conexão: Usar as palavras certas, nos momentos exatos, para o perfil demográfico perfeito nos canais sociais ideais.
  • Quantidade: Criar uma frequência e um fluxo de publicação tão previsível que suas palavras ou vozes rapidamente se transformam em uma zona de conforto para seu público.

 

 

[1] Fonte: https://www.uschamberfoundation.org/reports/millennial-generation-research-review

[2] Fonte: https://www.americanpressinstitute.org/publications/reports/survey-research/millennials-social-media/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s