Há espaço para bibliotecários na era digital?

Imaginar que, em plena era da informação, com ebooks e catálogos impressos disponíveis sob demanda, o papel de um bibliotecário será o mesmo de 30 anos atrás, é certamente um erro grosseiro. Por outro lado, acreditar que não há mais espaço para este profissional é também outro erro.

O principal motivo é que o papel do bibliotecário – de certa maneira, assim como o do professor – deixou de ser o de organizar conhecimento de maneira quase procederam e passou a ser o de guiar o interessado em um tema pela selva de conteúdo em torno dele. Em nossos tempos, conteúdo deixou de ser escasso e passou a ser abundante – o que apenas mudou a cara do problema (e não o eliminou).

Exemplifico: imagine que voce queira pesquisar um determinado assunto, seja para escrever um livro novo, seja para estruturar um trabalho acadêmico ou seja por pura curiosidade. Sim: você pode sempre ir ao Google e nadar por conta própria.

Mas e se voce pudesse ir a um espaço contar com um profissional experiente, capaz de te guiar pelas fontes mais relevantes e pelos autores mais experientes? E se ele conseguir ainda garantir um espaço praticamente feito para se absorver conhecimento, como são algumas das mais modernas bibliotecas do mundo? Nesse aspecto, o bibliotecário é uma espécie de curador ultra dinâmico de conteúdo: e sempre haverá papel para bons curadores.

E por que estou escrevendo isso? Nos Estados Unidos, o Wall Street Journal publicou uma matéria que praticamente enterrou bibliotecários, condenando-os ao mais certo ostracismo. E é claro que isso gerou um debate poderoso, incluindo uma carta resposta da American Libraries Magazine.

Debates são sempre bons, são sempre positivos. Nos permitem ver ambos os lados, instigam a mente, nos fazem pensar. Infelizmente, os artigos estão apenas em inglês: mas recomendo fortemente para quem conseguir lê-los que o faça. Os links estão neste próprio post, no parágrafo de cima, e também podem ser acessados clicando na imagem abaixo.

A pergunta que fica é: o que deve mudar na maneira com que nos guiamos pelo conhecimento em tempos tão dinâmicos quanto os nossos? Quais instituições devem sobreviver – e que adaptações elas terão que fazer, no melhor estilo do darwinismo, para se salvar da extinção?

  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s