Nomadismo digital

Três vivas à Internet! 

Graças a ela temos a possibilidade de fazer vídeo conferências gratuitas via Skype ou Hangout, acesso ilimitado ao infinito e caótico banco de conhecimento do mundo e estamos a cliques de qualquer pessoa. 

Nosso mundo pode ser levado dentro do nosso computador. Ou pelo menos acessado por meio dele (ou de qualquer outro), uma vez que a onipresente nuvem nos permite jogar no lixo qualquer necessidade de armazenamento de arquivo. 

E a grande vantagem disso tudo não é, ao contrário do que muitos pensam, viver imerso em uma tela curtindo cada segundo de anti-socialidade. A grande vantagem é poder fazer o oposto: viver onde se quiser e pelo tempo que se desejar. 

Curte história? Nada melhor do que viver uns tempos em Istanbul ou Roma. Quer uma praia? Que tal passar alguns meses no Caribe? 

O mundo é pequeno: poucos são os lugares inalcançáveis. Pouquíssimos. E menos ainda são os lugares onde não se conseguirá a conexão suficiente para continuar trabalhando em sua empresa como se estivesse na baia ao lado. 

A frase pode ser piegas, mas nem por isso é errada: o melhor escritório do mundo é aquele sem paredes, feito a partir dos sonhos de cada pessoa. 

Isso abre uma brecha (incrível) para outra coisa: um tipo de inspiração nomádica, fruto do acúmulo de experiências intensas, capaz de revolucionar a nossa sociedade como nunca antes. 

Acompanhe o raciocínio: quanto mais forte for um determinado momento de vida, mais o cérebro estará atuante; quanto mais atuante o cérebro, mais cruzamentos de ideias ele fará a partir dessa coleção global de problemas e soluções cosmopolitas; quanto mais rico o cruzamento de ideias, mais ricas serão as inovações que nascerão a partir dele. 

Nos tornamos mais férteis a partir do momento que começamos a colecionar mais experiências fortes de vida- algo que uma vida nomádica proporciona como nenhuma outra.

Não, não tenho um caso prático para ilustrar esse post. 

Mas me parece difícil acreditar que a mera possibilidade de se viver como um nômade, incluindo todo o mar de experiências colecionáveis a partir daí, não mude, no longo prazo, a própria qualidade das inovações criadas para mudar o mundo. 

Seria como acreditar que o hábito de ler não gera um repertório intelectual melhor.

Seria como acreditar que inspiração é irrelevante para a criação.  

  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s