O equilíbrio dos extremos: Apólo, Dionísio e a filosofia de Nietzsche

Segundo Nietzsche, as expressões artísticas e emocionais humanas podem ser divididas em duas categorias: o “apolíneo” e o “dionisíaco”.

O raciocínio é até relativamente simples: o “apolíneo” é o extremo da estética, da perfeição plástica, ordenada, da luz e, em suma, da ordem. É perfeito como o Deus Apólo, representante no Olimpo justamente pela sua harmonia, beleza e equilíbrio.

O “dionisíaco” é o exato oposto. É a emoção em sua forma mais crua, densa, dramática, embriagada. A forma plástica, aqui, é irrelevante: o que importa nas expressões de Dionísio é o seu conteúdo de altíssima densidade emocional, fruto talvez mais do estômago do que do coração. É a nossa parte mais animal e imprevisível. É, em suma, o caos.

Há, claro, expressões puras dessas duas artes.

Se observar estátuas gregas (como a exemplificada abaixo), verá que a forma é tão importante que até elementos mínimos que denotam expressão – como pupilas – são inexistentes. Aliás, esses elementos foram incorporados à arte da antigüidade apenas tempos depois, pelos romanos.


Os mesmos gregos, por outro lado, produziram as primeiras peças teatrais realmente dramáticas: as tragédias, fortes ao ponto de terem atravessado séculos de escuridão cultural e permanecerem clássicas até hoje.

Curiosidade: as tragédias costumavam ser apresentadas anualmente, entre o final de março e o começo de abril, em um festival homenageando justamente Dionísio.

E, enquanto a arte apolínea era atemporal como a sua perfeição plástica, a dionisíaca só poderia ocorrer ao vivo, em tempo real, única forma de se conseguir expor de maneira realmente densa o extremo das emoções humanas.


Essa dualidade grega apropriada pela filosofia de Nietzsche é uma explicação perfeita para toda essa relação entre caos e ordem, ambos representando uma idealização quase utópica, inatingível, das expressões humanas.
O caos total das tragédias é autofágico: no final quase sempre há mortes e um fim dramático que determina, paradoxalmente, o início de um novo status quo para os envolvidos. Caos, afinal, é instável, insuportável por tempo demais.

As artes apolíneas, por sua vez, são atemporalmente perfeitas – mas também inatingíveis, incapazes de expressar a vida como ela realmente é.

Em outras palavras: o excesso de caos é tão quente que não consegue se sustentar por muito tempo; e o excesso de ordem é tão frio que não consegue representar a realidade de maneira efetiva.

E onde isso tudo importa do ponto de vista de inovação?

Simples: as grandes (e pequenas) inovações da humanidade, seja nas artes ou nas praticidades cotidianas, foram sempre tentativas de unir doses do dionisíaco ao apolíneo, buscando inserir ordem no caos e transformar ambas as expressões em algo mais suportável.

E com um pouco de observação e abstração é possível desconstruir cada um dos elementos que caracteriza o nosso dia a dia em ingredientes dionisíacos e apolíneos. Quer exemplos práticos?

A Apple é uma das marcas mais amadas do mundo. Sua estética é limpa, fria, quase perfeita da embalagem ao produto. Mas não é vazia: em todas as comunicações da marca, ela ressalta o seu poder de processamento, sua facilidade de uso e, principalmente, o universo de expressões artísticas, incluindo fotos, músicas e filmes, que pode ser destrancado pelo uso de cada produto.


A rede de café americana Starbucks é uma das empresas mais presentes em todo o mundo com mais de 21 mil lojas e mais de 30 bilhões de dólares em faturamento. Plasticamente, toda Starbucks é idêntica: os copos são os mesmos, as luvas para evitar que o consumidor queime as mãos são padronizadas, a iluminação é rigorosamente acolhedora e até os sofás são dispostos de maneira orquestrada. Toda loja é uma obra de arte apolínea do ponto de vista de sincronia. Por outro lado, o segredo do sucesso da Starbucks nunca foi o seu café e sim o posicionamento como um ponto de encontro entre pessoas, como um local onde se pode conhecer gente nova, trabalhar, passar o tempo, jogar conversa fora e, em suma, viver.


Saindo do marketing corporativo e indo para centros urbanos, a cidade de Paris é outro exemplo perfeito. Sua arquitetura uniforme é tão esteticamente perfeita que inspirou cidades de todo o mundo por gerações. Da Idade Média aos dias  atuais, poucos são os centros urbanos mais reconhecidos pela sua esrutura física do que a capital francesa. No entanto, não é assim que ela mais se vende: Paris é a cidade-luz, a cidade do romance, onde grandes amores são formados e onde lembranças se tornam imortais. Novamente: estética, por si só, é insuficiente, se empobrece sem o toque de vida de Dionísio.


Se observar de perto cada um dos grandes casos de marcas do mundo, em qualquer escala ou setor, verá um casamento bem articulado entre as expressões dos dois deuses gregos. E se olhar mais de perto verá que as marcas mais amadas do mundo são as que conseguiram se construir no equilíbrio entre uma emoção desesperadamente dramática e uma estética incrivelmente perfeita, sem anular em nada cada um desses opostos.

São as que conseguiram unir conteúdo de apelo quase sobrenatural de tão forte a uma forma absolutamente bem orquestrada.

4 comentários sobre “O equilíbrio dos extremos: Apólo, Dionísio e a filosofia de Nietzsche

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s